Gênero: Queer

Ícone

Joe Calderone (Lady Gaga como Drag King)

Já tem um tempo que isso saiu na imprensa, mas acho bacana compartilhar aqui as fotos de Joe Calderone, o lado Drag King de Lady Gaga. Interessantíssima iniciativa!

Anúncios

Filed under: Uncategorized, , , , ,

A women building industry/Uma indústria de construir mulheres

Reportagem escrita por: Maurício Horta e Willian Vieira

(this one went originally to press in Carta Capital magazine/publicado e editado originalmente na revista Carta Capital. )

Desça a tela para texto em português.

Richard was 5 years old in his first day at a Catholic School in Delaware, where boys and girls were segregated. As he could not understand this convention, he would insist in taking the girls’ line. The misunderstanding  would carry on until Richard, then a divorced mechanical engeneer with one son and an eternal gender conflict, heard of a famous surgeon who transformed men into women in Thailand. He made perfect vaginas from unwanted penises, with international operation standards and prices ten times lower. That’s how the hands of a postmodern demiurge from Bangkok have given birth six years ago to Barbara Elizabeth Foster.

 

What he didn’t know was why Thailand, amongst so many countries with a long medical tradition. Part of the answer resides in a stereotype which was true. NGOs estimate local transsexuals in up to 300 thousands. A Bangkok school has 50 ladyboys –or kathoeys, as they are known in the country. Another one in the countryside has opened a bathroom exclusively for the “third gender”. Transsex beauty contests have gained the television. And nowadays they find jobs as hairdressers, bank cashiers, prostitutes. They are everywhere.

As they want to erase masculine traits, the demand for feminizing surgeries sustains a solid local industry since the 80’s. However, the 1997 Asian crisis eroded the local purchasing power, including the ladyboys’, and the plastic surgery froze. The government made then a campaign to raise Thailand as a medical tourism destination. The sex change industry went with the flow and transferred its offer to the foreign demand. With doctors with Western standards and Asian prices, the world’s most liberal place for transsexuals became the first destination for sex reassignment surgeries (SRS).

The medical tourism agency Orchid Heart offers online searchs. The patient clicks on “Male to Female” or “Female to Male”, chooses the day and the services (air ticket, hotel, interpret and nurse) and the budget comes 24 after reading the contract. After a series of scandals of teenage boys castrated trying to become ladyboys, the Thai government has hardened the rules in 2009. But not much: the minimum age is now 18 years old, a psychiatric evaluation and a five years period living as a women are obligatory. How it’s proved is a mystery; meanwhile, the market’s ciphers keep turning round.

The SRS here cost half the Korean price and up to a tenth of the American. The industry has become so consolidated that private hospitals sell their services online, showing photo galleries and price lists –“most credit cards accepted”. In MTF clinic, whose name is the acronym for “male to female”, a SRS costs from $8,000 to $13,000; a “facial feminization”, $5,000; breast, $3,000; Adam apple reduction, $600. It’s possible to make a package: SRS, breast and apple for $15 thousand.

“In the US you would not even do your nose with that”, jokes Barbara Foster. Counting the six surgeries she had with Dr. Preecha Tietranon, Barbara ($ 16,000) does not set aside praises for her surgeon. “I love him. He’s an artist who made me stand living. I’d do anything for him”.

After having relationships with women but in conflict with her male body, former Richard heard from his psychologist: he was a “lesbian woman” and should carry out a SRS. It would cost her US$ 40,000 in the US. So Barbara, whose new name was taken from the first woman she had sex with, postponed the surgery, took hormones, retired. Until could come to Thailand. “Since I put my feet here I knew I’d never go away.” Now she lives in Bangkok, dates a Thai woman and spends her retirement traveling and answering e-mails from transsexuals in crisis. “If I can convince anyone to carry on her dream, I know my life has a meaning”.

Creator and creature

Seating by a computer screen with 30 slides of neovaginas he proudly made, Dr. Preecha Tietranon runs his index finger along the right labium maius of one and shows how his work has made it almost real. After 32 years Preecha says he’s transformed almost 4,000 men into women. One of his patients was 54 years old, had eight children and came to Preecha’s clinic bringing his wife along (she took pictures). The oldest patient was a 73 years old mand with three heart bypasses.

Dr. Preecha Tietranon is the Thai pioneer in sex reassignment surgeries. In 32 years he has transformed almost 4 thousand men into women.

The most common SRS consists in transforming the scrotum into labia minora, the gland into clitoris and penis skin into vulva. “But the best is to use the colon”, says Preecha, explaining that a section of the colon is used to make the vagina. As this tissue naturally produces a lubricant mucus, “we’ve receiving more positive feedback from the partners”.

That’s what happens today. By Preecha’s first SRS, back in 1978 at Chulalongkorn University, where he’s trained over a hundred surgeons, the practice was incipient. “No one knew how to do it, so transsexuals were commonly mutilated in surgeries with local anesthesia. It was like castrating livestock.” After that it would be necessary to make another surgery. But things changed and got bigger. Thai transsexuals who made SRS at home started to emigrate.

“So the ‘made in Thailand’ became famous abroad”, says Preecha. “Americans and Europeans realized the prices were lower, hospitals were good and the doctors as well. And they could go sightseeing after the surgery!” Good at marketing, Dr. Preecha performed the world’s first SRS broadcast live on the internet. He estimates foreign patients in 1,500 per year. At his clinic, 100% of the SRS patients are foreigners, mostly from the US, Australia and Europe.

All they need to undertake the surgery in Thailand is a medical check up, two years of hormone therapy, a psychiatric letter and five years living as a woman. Western countries require five years of psychological follow up to confirm the Gender Identity Disorder, but in Thailand this can be overcome by presenting a diagnosis bought online.  It takes then two weeks between the arrival of the wrong-bodied man and the departure of the new woman, including a three hours’ surgery, four days post-surgery period and eight recovery days in a hotel under the assistance of a nurse who helps to dilate the neovagina in order to avoid the body to close it down. After 45 days, the responsibility for the maintenance lies solely on the patience. “It’s necessary to make love. The more you do it, the better”, says Dr. Preecha.

The other side of the sex change industry is the sex consumption industry. For transvestites admires who see Thailand as a touristic destination, Nana Plaza is its hottest spot. The three storey building taken by neon lights holds dozens of erotic clubs –and four of them are very specific: their women were born men. They get from $60 to $100 a night, and many do it so that they can save enough money for a surgery.

Yo-yo, 21, 52 kg and $ 800 breasts works in a Bangkok brothel to save money and have a sex-change surgery.

Yo-yo, 21 years old, has 115 lbs and $800 silicon breasts. She takes our hands to her bony nose, acute cheeks and stiff shoulders. “I still need a lot of work.” Yo-yo was born a boy, but has been taking female hormones for ten years. It’s been one year she works at Nana Plaza. “One more year and she has it done”, guarantees her pimp, also a transgender. Yo-yo smiles. “I’ve already saved enough. I’ll live in Europe afterwards”.

In Thailand, children know they have the wrong gender as early as at 10 years old. “The family buys girls’ clothes, hormones at the drugstore, and sometimes helps to pay the surgery”, says Hua Boonyapisomparn, a transsexual activist. “But, at the same time society forces transsexuals to change their sex, they force women to have an anormal beauty, and forget to think if they need all that to be happy”, says Hua, who hasn’t had the surgery. “SRS has become a merchandise in Thailand, capitalizing over transsexuals. You just have to pay for and do it”. Now she tries to convince transsexuals that it’s possible to be happy “without being 100% woman”.

***

Aos cinco anos Richard teve o primeiro dia na escola católica em Delaware, EUA, onde meninos e meninas eram separados. Sem entender a convenção, insistia em ir para a fila das meninas. A incompreensão continuaria a vida toda, até que, já um engenheiro mecânico pai de um filho e em eterno conflito de gênero, Richard ouviu falar do famoso médico na Tailândia que transformava homens em mulheres. Ele fazia de pênis malquistos impecáveis vaginas –com padrões internacionais de cirurgia e preços dez vezes menores. Foi assim que, há seis anos, pelas mãos de um demiurgo pós-moderno de Bangcoc, nasceu Barbara Elizabeth Foster.

Quando Barbara era Richard, ela só saía com mulheres, embora estivesse em conflito com seu corpo masculino. Seu psicólogo lhe revelou que era uma mulher lésbica no corpo de um homem. Depois de ter feito a cirurgia de redesignação de sexo em Bangcoc, vive hoje aposentada na Tailândia, aconselhando outras pessoas em crise.

O que ele não sabia era por que a Tailândia, dentre tantos países com tradição médica. Parte da resposta é que o estereótipo, aqui, pode ser levado em conta. ONGs estimam até 300 mil transexuais no país. Em uma escola de Bangkok, 50 “ladyboys” –ou kathoeys, meninos que vivem como meninas– estudam juntos; outra, no interior, abriu um banheiro para o “terceiro gênero”. Concursos de beleza ganham a TV. Eles trabalham como cabeleireiros, caixas de banco, prostituem-se, estão em toda parte. E há um mercado que gira em torno deles.

Como todos querem se parecer com mulheres, a demanda por cirurgias feminizadoras sustenta desde os anos 80 uma sólida indústria local. Mas a crise asiática de 1997 derrubou o poder de compra nacional, inclusive dos ladyboys, freando o setor de cirurgia plástica no país. O governo então fez uma campanha para lvar o negócio e fazer da Tailândia um destino de “turismo médico” –a troca de sexo pegou carona, trasnferindo sua oferta para os transexuais estrangeiros. Assim, com médicos com formação ocidental e preços asiáticos, o lugar mais liberal do mundo para os transexuais virou também o maior destino para trocar de sexo.

Aqui a cirurgia custa a metade do preço coreano e até dez vezes menos que nos EUA. A indústria da “cirurgia de redesignação sexual” (SRS, do inglês) é tão consolidada que hospitais privados vendem os serviços pela internet, com galerias de fotos e listas de preços –”aceita-se a maioria dos cartões de crédito”. Na clínica MTF, uma SRS custa de US$ 8 a 13 mil; “feminização facial”, US$ 5 mil; peito, US$ 3 mil; redução do pomo de Adão, US$ 600. E é possível fazer um pacote: SRS, seios e pomo por US$ 15 mil.

Já na agência de turismo médico” Orchid Heart “é possível fazer pesquisa online. O paciente clica na opção “mudança de homem para mulher” ou “mulher para homem”, escolhe a data e os serviços (passagem aéra, hotel, intérprete, enfermeira) e, lido o contrato, o resultado da pesquisa chega em 24 horas. No ano passado, após escândalos com adolescentes castrados ao tentar virar “ladyboys”, o governo enrigeceu as regras –mas não muito: a idade mínima agora é 18 anos, é preciso avaliação psiquiátrica e ter vivido como mulher por cinco anos. Como se prova isso é um mistério. E as cifras do mercado continuam girando.

Criador e criatura

Sentado ao lado de uma tela de computador com trinta pequenas fotos de vaginas feitas por ele, Preecha Tietranon corre o dedo indicador pelo lábio direito de uma das obras, monstrando a perícia com que as torna quase reais. Faz 32 anos que ele as faz –diz já ter transformado quase 4 mil homens em mulheres. Um de seus pacientes tinha 54 anos, oitos filhos e veio com a mulher operar (ela tirou fotos); já o mais velho era um senhor de 73 anos com três pontes de safena. Não à toa, Preecha é o Papa da troca de sexo.

Dr. Preecha Tietranon é o pioneiro tailandês das cirurgias de redesignação sexual. Em 32 anos, transformou quase 4 mil homens em mulheres.

A técnica mais comum hoje transforma o escroto nos lábios vaginais e o corpo e pele do pênis em clitóris e vulva. “Mas melhor mesmo é vagina de intestino”, diz Preecha, ao explicar que uma parte do intestino grosso é seccionada e vira o canal vaginal. Como o tecido naturalmente produz muco lubrificante, “temos ouvido mais elogios dos parceiros”.

Isso hoje. Na primeira SRS que fez, em 1978, na Universidade Chulalongkorn, em Bangkok –onde formou mais de cem dentre os cirurgiões que fazem a fama do país –a técnica era incipiente. “Na época ninguém sabia fazer, então transexuais eram mutilados em operações com anestesia local. Era como castrar um boi.” Depois era preciso refazer a operação.

Mas as coisas foram mudando, crescendo. Os transexuais tailandeses faziam a SRS e iam para o exterior. “E os made in Thailand ficaram famosos lá fora”, diz Preecha. “Viu-se que o preço aqui é menor, os hospitais são bons, os médicos também. E ainda dá para passear depois.” Bom de marketing, há cinco anos ele realizou a primeira SRS transmitida ao vivo pela internet. Parece ter funcionado. Hoje ele estima que 1500 estrangeiros façam SRS no país por ano, um sexto disso com o “time” dele. Em sua clínica, 100% são estrangeiros –EUA, Austrália, Europa. Brasileiros foram 30 até hoje.

No Brasil as cirurgias custam cerca de R$ 20 mil, valor semelhante ao gasto para operar na Tailândia, passagem e estadia inclusas. ”Mas, quando chega a hora, descobre-se que o preço só inclua a vagina. Nada de clitóris”, diz Preecha. Com clitóris ou não, o Brasil está longe da realidade tailandesa. Mesmo feitas via SUS em hospitais universitários, elas não dão conta da demanda. O Hospital das Clínicas da USP faz apenas duas por ano –menos do que o Dr. Preecha faz por semana. A fila de espera é de dez anos. ”Tenho muitos pacientes que dizem sonhar com cirurgia na Tailândia”, diz  Alexandre Saadeh, do Instituto de Psiquiatria da USP. Além das clínicas particulares brasileiras –algumas nebulosas–, é a opção que resta.

Já na Tailândia para fazer a cirurgia só é necessário um check up médico, ter tomado hormônios por dois anos, um aval do psiquiatra e cinco anos de vida como mulher. E só –enquanto em países ocidentais um acompanhamento psicológico de até cinco anos é exigido, para confirmar o Transtorno da Identidade de Gênero, aqui basta chegar com um laudo psiquiátrico comprado pela Internet. Assim leva duas semanas entre o dia em que o transexual pisa no aeroporto e quando vai embora, já mulher, após a operação (3h) o pós-operatório (quatro dias) e oito dias no hotel com a enfermeira, que ajuda na dilatação diária da vagina, com pênis artificial, necessária para evitar que o corpo a feche. Após 45 dias, diz Preecha, rindo, a manutenção cabe  só ao paciente. “É preciso fazer sexo. Quanto mais, melhor.”

Rosto, seios, pomo de Adão, vagina. Uma mulher criada pelas mãos do demiurgo custa de US$ 15 mil a US$ 20 mil. O valor inclui hotel, motorista, remédios, exames e até um portfólio. “Nos EUA você mal faz um nariz com isso”, brinca Barbara Foster, a supracitada obra de Preecha. Contando nos dedos as seis cirurgias que fez com Preecha, Barbara (US$ 16 mil) não hesita no elogio. “Eu o amo. É um artista que fez minha vida suportável. Faria tudo por ele.”

Após anos saindo com mulheres –mas em conflito com o corpo masculino–, o então Richard ouviu do psicólogo: era “lésbica” e deveria fazer a SRS. Mas custava US$ 40 mil. Ela postergou. Tomou hormônios. Aposentou-se. Até que descobriu a Tailândia e fez a cirurgia. “Desde que pus os pés aqui sabia que não sairia mais.” Hoje ela vive  em Bangcoc, namora uma tailandesa e passa o tempo  respondendo emails de transexuais pedindo ajuda. “Se eu puder ajudar a convencer alguém a perseguir o sonho, minha vida terá sentido.”

Sonho e realidade

O outro lado da indústria da produção de mulheres é a indústria do consumo. E se para os adoradores de travestis a Tailândia é destino turístico, o Nana Plaza é o centro. O prédio de três andares tomados por neon guarda dezenas de clubes de shows eróticos –quatro deles bem específicos: aqui, as mulheres de fartos seios e altos saltos nasceram homens. Ganham R$ 60 a 100 por noite vendendo o corpo, muitas juntando dinheiro para a troca de sexo.

Yo-yo, 21, 52 kg e seios de R$1.500, trabalha num bordel de Bangcoc para economizar dinheiro e pagar por uma cirurgia de mudança de sexo.

Yo-yo tem 21 anos, 52 quilos e seios de R$ 1.500 que colocou no ano passado –a primeira das cirurgias que pretende fazer para virar mulher. Ela pega as mãos de quem ouve e põe no nariz (ossudo), nas bochechas (agudas), nos ombros (rijos). “Ainda falta muito.” Yo-yo nasceu menino. Os pais são agricultores que, desde que ela tinha seis anos, acostumaram-se à nova filha. Há dez anos ela toma hormônios; há um, trabalha no Nana Plaza. “Mais um ano com a gente e ela faz a cirurgia”, garante a cafetina. Yo-yo sorri. “Já guardei bastante”, diz, levantando vôo com a mão direita. “Depois vou viver na Europa.”

Aqui, aos 10 anos a criança já sabe que tem o gênero errado. “A famíia já compra roupas de menina, hormônios na farmácia, às vezes ajuda nas cirurgias”, diz a ativista transexual Hua Boonyapisomparn, 30. “Mas, ao mesmo tempo que a sociedade força os transexuais a trocar de sexo, força também as mulheres a terem uma beleza anormal, e eles esquecem de pensar se precisam disso para serem felizes”, diz Hua. Ela não fez a cirurgia. “A SRS virou uma mercadoria na Tailândia, uma capitalização em torno dos transexuais. É só pagar e fazer.”  A batalha hoje é para convencer os transexuais  de que é possível ser feliz sem ter vagina. “Queremos mostrar que não precisa ser 100% mulher para ser feliz.”

***

Todos os direitos reservados a  Maurício Horta e William Vieira:

http://24tz.wordpress.com

All Rights Reserved to: Maurício Horta e William Vieira:

http://24tz.wordpress.com

Filed under: Uncategorized, , , , , ,

Intersexo na antiguidade

Cote cliché : 10-504886 N° d’inventaire : MA4866 Fonds : Antiquités grecques, étrusques et romaines Titre : Statue dun hermaphrodite Description : 2e siècle ap J.-C. // découverte : Monte Porzio ( Colonna , Casale Ciufla) Crédit photographique : (C) RMN / Hervé Lewandowski Période : Empire romain (27 avant J.-C.-476 après J.-C.) Technique/Matière : marbre, sculpture (technique) Site de production : Italie (origine), site de production incertain Lieu de découverte : Monte Porzio (origine) Hauteur : 1.500 m. Localisation : Paris, musée du Louvre

Cote cliché : 95-013360 N° d’inventaire : MA231 Fonds : Antiquités grecques, étrusques et romaines Titre : Hermaphrodite endormi Description : réplique romaine d'après un original créé vers le 1/2 du 2e s av jc collection Borghèse Crédit photographique : (C) RMN / Hervé Lewandowski Période : époque hellénistique (323-31 avant J.-C.) Technique/Matière : sculpture (technique) Longueur : 1.480 m. Localisation : Paris, musée du Louvre

Hermaphrodite. Norte da África, Época Romana, Séculos II-III d.c..

n / d

 

Filed under: Uncategorized, , , , , , , , , , ,

Cabelos: alternativas

É difícil ser mulher e conseguir ter um corte de cabelo que não seja hiperfeminino no Brasil. Eu ralei muito até conseguir um cabelereiro que conseguisse cortar meu cabelo de um jeito mais ou menos próximo do que eu gosto – na verdade, dos jeitoS que eu gosto, já que canso deles e vario muito – e que não fosse o olho da cara.

O Márcio, meu hairstylist há alguns anos, sempre precisa fazer uma observaçãozinha do tipo “eu acho que eu vou colocar a costeleta assim pra ficar mais feminina”, “acho que a franja vou pôr assim pro corte não ficar tão masculino”. E eu sempre fico irritada com isso porque eu penso “O que diabos é um corte feminino, Márcio?!”.

Eu decidi ser pacífica com o rapaz e somente olhava pra ele com desaprovação. Eu to cag#$% pro gênero do meu corte de cabelo. Eu não gosto dos cortes convencionais ( só isso), sejam eles considerados masculinos ou femininos. E também não gosto de usar o cabelo comprido: dá trabalho, o meu não fica bom desse jeito (fico parecendo um cocker spaniel) e é inadequado pros 40º que fazem no Rio de Janeiro e pra quantidade de banhos e que isso me leva a tomar.

Além disso, se você não chega com uma idéia pronta pro devastador capilar de sua preferência, sua aparência fica à mercé de uma série de catálogos velhos que ficam jogados em revisteiros e que possuem todos os tipos de cabelos (compridos e curtos) esquisitos da face da terra. Minha opção é ser minha própria designer e aprender a ser uma sagaz e minuciosa descritora das idéias dos variados cortes que acabo criando.

Os resultados, é claro, nem sempre são bons: nem sempre o Márcio entende o que eu quero e nem sempre eu consigo me expressar bem (fora que nem sempre minhas idéias são as mais geniais).

A boa notícia, depois de tanto drama é: eu achei uma fonte de idéias boas e “fora do circuito hiperfeminino” (e esgotáveis, claro) que podem me render algumas experiências bacanas com minhas curtas medeixas. E como sou muito gentil, decidi compartilhar com vocês. Bom corte!

como sempre, é só clicar na imagem que ela dá uma ampliada

Filed under: Uncategorized

Filme: The Amazons, 1917

Três irmãs, todas criados como meninos, têm dificuldade para se encaixar em uma sociedade dominada pelos homens.

Filed under: Uncategorized

É hoje: dia da visibilidade trans

Rio sem homofobia celebra o Dia da Visibilidade Trans

RIO DE JANEIRO [ ABN NEWS ] — Para celebrar o Dia Nacional de Visibilidade Trans (29 de janeiro), o Programa Rio sem Homofobia, executado pela Superintendência de Direitos Individuais Coletivos e Difusos da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, lançou, nesta sexta-feira (28/1), materiais informativos sobre os direitos civis de travestis e transexuais, que circularão pela web, bares e locais de convivência deste público e também por delegacias, postos de saúde, escolas e outros órgãos.

– O programa Rio sem Homofobia é um conjunto de políticas públicas para combater a homofobia e promover a cidadania LGBT. É importante lembrar que a comunidade de travestis e transexuais é a mais atingida pela intolerância e o ódio. Elas são xingadas, violentadas e carregam um estigma criminoso que deve ser revertido. Neste dia, queremos esclarecer que travestis e transexuais também são cidadãs e possuem seus direitos, como todos nós – enfatiza o superintendente e coordenador do programa Rio sem Homofobia, Cláudio Nascimento.

Entre março e dezembro de 2010, foram 92 protocolos de atendimento a travestis e transexuais, sendo que aproximadamente 60% (ou 55 protocolos de atendimento) dizem respeito à violência. Os demais estão relacionados, principalmente, com a retificação de registro civil (mudança de nome) e busca por outros direitos.

******

fonte: http://www.abn.com.br

Filed under: Uncategorized

Tina Queer

Cláudio Eduardo

Filed under: Uncategorized

Caderno “Ela” do jornal “O Globo” de hoje

A chamada na capa do jornal não podia ser mais apelativa “transexuais e tipos exóticos estão em alta no mercado da moda”. Sim, essa chamada causa dúvida. Ficamos pensando se é positivo ou negativo esse tipo de exposição. Será que exotismo todo não é semelhante à atração fetichista que o ocidente tem pelo “outro”, que foi materializado, na maioria das vezes, pelo oriente, o africano? A filósofa Viviane Mosé, chega a maneirar o tom da reportagem do caderno de moda do jornal carioca ao dizer “Não acho que exista real interesse neles,  mas sim na imagem exótica e estranha que eles trazem”.

De cara me lembrei do texto do crítico cultural indiano Homi Bhabha, “A outra questão: O estereótipo, a discriminação e o discurso do colonialismo”*, onde ele diz que a ambivalência** é central para o estereótipo, já que ele produz “aquela ‘alteridade’ que é ao mesmo tempo um objeto de desejo e de escárnio”.

É só pensarmos no fenômeno Ariadne. Sim, ela está por todos os cantos, está sendo exposta na mídia, mas de duas formas (daí a ambivalência), uma delas como objeto de desejo, de curiosidade, de atração fetichista, ao sair no Paparazzo, ao ser convidada pela Preta Gil para a sua festa de não sei o que, ao estar no BBB11, enfim;  e outra como objeto de piada pela produção do programa, ao declarar que obrigou a menina a esconder que era transexual porque seria “engraçado ver os homens beijando ela e depois descobrirem que haviam beijado uma transexual”, ou pelas milhares de piadas que se disseminaram na internet, todas preconceituosas, ou pela lamentável capa do jornal popular carioca “Meia-Hora”, que se demonstrou sem limites e sem ética alguma (clique na imagem para conferir esta capa).

Fora isso, a imprensa através da divulgação estereotipada do transexual, acaba simplificando-o, resumindo-o, como diz o psiquiatra Carlos Roberto Alves de Paiva, ainda na reportagem em questão:

O que pude aprender desta experiência foi que a classificação transexual é apenas a mera classificação de um comportamento que não contempla a enorme diversidade erótica deste grupo humano. Da mesma maneira, quando pensamos na classificação comportamental dos heterossexuais, só estamos dizendo que aquele par é do sexo oposto. Todas as grandes diferenças eróticas presentes no ser humano, não estão aí contempladas. Por enquanto, esta classificação “heterossexual” só é pertinente para a reprodução da espécie. As pessoas que entrevistei apresentaram erotismo e percepções sobre suas identidades íntimas riquíssimas e muito diversas. E todas usam as mesmas referências simbólicas de todos os seres humanos.

Modelo citado na reportagem do Globo: Andrej Pejic, novo rosto de Marc Jacobs

A única coisa que eu acho necessário acrescentar à fala do psiquiatra, é o que, na minha opinião, é um dos pontos altos do texto de Homi Bhabha, quando ele problematiza essa idéia de o estereótipo ser simplesmente uma simplificação de uma imagem:

O estereótipo não é uma simplificação porque é uma falsa representação de uma dada realidade. É uma simplificação porque é uma forma presa, fixa, de representação que, ao negar o jogo da diferença (que a negação através do Outro permite), constitui um problema para a representação do sujeito em significações de relações psíquicas e sociais.

Ou seja, a palavra transexual, como qualquer outra classificação, acaba sendo uma forma extremamente simplista, principalmente quando utilizada pelo mercado (seja a mídia ou a moda), de divulgação do “outro”, de quem não faz parte de uma norma heterossexual aceita e visível. Fazendo-nos esquecer que o transexual não é só aquele que “se tornou de outro sexo”, e que sente atração pelo sexo oposto. Mas que ele é justamente o “queer”, todas as formas de expressar a identidade sexual que não são aceitas pela norma, e não uma forma em particular. Portanto, não podemos falar de transexual no singular, mas de transexuais, de transgêneros, de MtFs, de FtMs, de andróginos, de crossdressers, se toda uma parcela da população que é excluída e extremamente simplificada e erroneamente representada por não fazerem parte do que é dito “certo” pela sociedade.

*******

*Para ler mais do texto de Homi Bhabha, o livro A Outra Questão, onde este texto foi publicado, está disponível no “scribd”: http://www.scribd.com/doc/15481822/olocaldaculturahomibhabha

**Ambivalência:

n substantivo feminino
1    estado, condição ou caráter do que é ambivalente, do que apresenta dois componentes ou valores de sentidos opostos ou não
2    Derivação: por extensão de sentido.
existência simultânea, e com a mesma intensidade, de dois sentimentos ou duas ideias com relação a uma mesma coisa e que se opõem mutuamente
3    Derivação: por extensão de sentido.
m.q. ambiguidade (‘hesitação’)
4    Rubrica: psicanálise.
coexistência ou aparição simultânea, na relação com o mesmo objeto, de tendências, atitudes e sentimentos opostos, basicamente amor e ódio

Filed under: Uncategorized

Transhomem na Revista d’O Globo

Publicado em “O Globo” de 17 de outubro de 2010

via http://transhomembrasil.blogspot.com

Clique na imagem para ampliar e ler a entrevista

Filed under: Uncategorized

Mario Bros Queer

Filed under: Uncategorized

Postagens & Páginas mais populares

Publicações anteriores

Janeiro 2011
S T Q Q S S D
    Fev »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Popularidade do site

  • 63.070 visitações
%d bloggers like this: